sábado, 9 de agosto de 2008

É...



É estranho procurar palavras.
Elas assumem vários formatos
Hora de maravilhas e esplendor
Hora dura e fria
Elas se dissolvem ao vento
Perdem-se
É estranho perder o ponto
Observar as coisas se diluírem
Espirais brilhantes
Silencio
É estranho quando estamos deslocados
O tempo espaço e uma mera abstração dos sentidos
Acreditar
Enganar-se
É estranho estar sozinho
Escutar esse ruído sem som
Pensamentos
É estranho correr em círculos
E voltar sempre ao ponto de partida
Chegada
Fim
Essa corrida incessante atrás de felicidade
Que reside em mim
Mas que brilha desvairada
Em você
Em mim
Na gente?
Não suplicar mais sua presença
Mas viver
Rápido
Crescer
É estranho
Não saber
Ver
Entender
Desconstruir
Os pés que toquem o chão
Pois a mente é liberta
E minha alma inquieta

Zanelli...

2 Comments:

Taninha Nascimento said...

Zan, meu querido...

Que belo texto, hein!!

Você fala de questões sérias que nos afligem a alma, de uma forma delicada e sincera...

Palavras;
perdas;
sentidos;
tempo;
silêncio;
pensamentos;
correr em círculos;
busca da felicidade;
súplicas;
crscimento;
pés no chão;
desconstrução,
liberdade da mente e inquietude da alma...

Nossa...

Parabéns!! Muito bonito mesmo. Me tocou fundo.

Beijões,
Taninha

A Dama Luz said...

Manim, um intertexto com esse poema maravilhoso que vc fez..e na hora eu lembrei

Andrea Bocceli que canta..
Vale a pena conferir..

ah..adorei esse poema..para mim é o melhor que vc fez até ontem.
NamastÊ



Pero Te Extraño(Armando Manzanero Canche)

Te extraño
Como se extrañan
las noches sin estrellas
Como se extrañan las mañanas bellas
No estar contigo, por dios
que me hace daño

Te extraño
Cuando camino, cuando lloro, cuando rio
Cuando el sol brilla,
cuando hace mucho frío
Porque te siento como
algo muy mio

Te extraño
Como los árboles extrañan el otoño
En esas noches
que no concilio el sueño
No te imaginas amor,
como te extraño

Te extraño
En cada paso que siento solitario
Cada momento que
estoy viviendo a diario
Estoy muriendo amor
porque te extraño

Te extraño
Cuando la aurora
comienza a dar colores
Con tus virtudes, con todos uts errores
Por lo que quieras
no sé,
pero te extraño

Te extraño
Como los árboles extrañan el otoño
En esas noches
que no concilio el sueño
No te imaginas amor,
como te extraño

Te extraño
En cada paso que siento solitario
Cada momento que
estoy viviendo a diario
Estoy muriendo amor
porque te extraño

Te extraño
Cuando la aurora
comienza a dar colores
Con tus virtudes, con todos uts errores
Por lo que quieras
no sé,
pero te extraño

Te extraño, te extraño